O que Dieter Rams nos ensina sobre o bom design

Entramos em um assunto que pode causar certa polêmica, afinal quem nunca entrou numa discussão sobre o que é considerado o bom design ou mau design de algo? assim como discutir assuntos mais complexos como religião, politica, futebol o design também é capaz de trazer discussões realmente acaloradas, afinal sobre o design todo mundo tem uma opinião própria ou tem uma dica de modificação ou algo à retirar ou acrescentar, no geral podemos dizer que até quem não estuda absolutamente nada sobre design se acha um pouco designer e isso ao mesmo tempo que é bom também pode ser algo ruim, o design está em tudo que vemos diariamente, nas gôndulas dos supermercados, no letreiro de sua loja preferida, na forma como os alimentos são dispostos para você comprar e até mesmo a localização deles tem um trabalho de design desenvolvido por traz daquilo, design é uma área realmente ampla, deixa o mundo mais colorido e com mais vida, aliado ao marketing cria necessidades e proporciona soluções aos consumidores e empresas mas o que realmente seria um bom design? podemos mesmo categorizar algo com uma obra de design ruim? quando fazer isso? como definir algo tão amplo de maneira correta? o objetivo desse artigo é trazer um pouco de luz à nossa cabeça com ensinamentos do designer renomado Dieter Rams que definiu através de sua experiência no ramo o que seria o bom design em 10 princípios.

Para um produto de design ser considerado bom ele deve atender alguns requisitos gerais, ele deve ser aceito por parte da população, tem que ser algo consolidado, algo considerado inovador e/ou que traga uma melhor experiência tanto visual quanto de uso, com isso conseguindo transcender muitas vezes a barreira do tempo, muitos consideram um bom design algo atemporal mesmo que traga fortes características do tempo e local onde foi desenvolvido, antes de entrarmos nas definições de Dieter Rams sobre o que é o bom design devemos saber mais a respeito dele.

Quem é Dieter Rams?

Dieter Rams e o bom design

Um designer industrial alemão, atualmente com 84 anos é considerado um dos mais influentes do mundo no século XX, concluiu com honras sua graduação em Arquitetura e Design de Interiores pela Wiesbaden Hertzfeld School of Art, na alemanha, no ano de 1970 ele introduziu a ideia de desenvolvimento sustentável e que a perda de utilidade de seus produtos com o tempo seria um crime, com isso ele se perguntou: Meu design é um bom design? e partir dessa simples pergunta surgiram as etapas de pensamento a seguir …

10 princípios para um bom design segundo Dieter Rams

10 princípios para um bom design, por Dieter Rams.

1 – Inovação

A inovação sempre deve ser um diferencial, afinal não há sentido replicar mais do mesmo, a possibilidade de inovação não podem ser extintas, a tecnologia a cada dia se desenvolve mais e oferece novas oportunidades para um design ainda mais inovador mas a criação do bom design caminha em paralelo não podendo ter um fim em si próprio.

2 – O produto se torna útil

Utilidade é um dos alicerces do bom design, um produto nasce essencialmente para ser útil para algum fim especifico ou ainda vários em um mesmo produto. Nesse sentido ele deve atender não só critérios psicológicos e estéticos.O que deve ser enfatizado é a real utilidade e descartar coisas que irão contra.

3 – Estética

Aqui a estética caminha junto com a sua utilidade, devemos pensar que os produtos serão utilizados todos os dias e trazem sensações aos consumidores, o bem-estar deve ser prioridade pois apenas objetos bem executados podem ser considerados belos.

4 – Qual a compreensão sobre o produto

A estrutura do produto deve ser em sua maioria das vezes quase que autoexplicativa(intuitiva), o ideal é que ao bater os olhos no produto a grande maioria das pessoas já tenham plena noção para qual função aquele produto se destina.

5 – Discreto

Produtos criados para um propósito são como ferramentas e portanto não são peças decorativas ou de arte. O design deve permanecer neutro e contido para que possa abrir caminho para a expressão do usuário.

6 – Honesto

Outra premissa de um bom design é que o produto não se faz mais inovador, poderoso ou valioso do que realmente é. Ele não tenta de maneira algum manipular o usuário com promessas as quais não poderá cumprir.

7 – Durabilidade do design

O produto evita estar na moda atual para que não pareça ultrapassado, diferentemente do design de moda, com isso o objetivo é que ele tenha uma durabilidade muito maior mesmo nessa sociedade com uma cultura de mais descarte.

8 – Minucioso

É meticuloso até o ultimo detalhe, nada nele é passado despercebido ou deixado por acaso. Cuidado e precisão no processo de design demonstram respeito com o consumidor.

9 – Amigo do meio ambiente

O bom design deve fazer uma importante contribuição para a preservação do meio ambiente. Tem como papel a conservação de recursos e minimiza poluição física e visual durante todo o ciclo de vida útil.

10 – Design Minimalista

O design se volta para a pureza e para a simplicidade. traz como característica que menos é mais e se concentra nos aspectos essenciais sem se sobrecarregar com as não essenciais.

Referências: Uxdesign, Arquiteturadeinformação, Wikipedia

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *